Sindicato dos Bancários de Bragança Paulista e Região    |    30 anos    |    1986 - 2019     |
                 

Notícias - Assédio Moral


28/02/2018
Justiça reintegra bancário do BB agredido durante a greve
Cumprindo determinação da 9ª Vara do Trabalho, proferida pelo juiz Henry Cavalcanti de Souza Macedo, o Banco do Brasil reintegrou na terça-feira (27) o bancário Glenio Ricardo de França Paula, demitido injustamente após a greve de 2016. O funcionário, lotado na agência Centenário, foi afastado pelo BB porque reagiu a agressões de um cliente, ocorridas durante a paralisação nacional.
- continuar lendo.

21/02/2018
Gerentes denunciam pressões abusivas no Bradesco

- continuar lendo.

28/11/2017
Sem avanços no debate sobre instrumento de combate ao assédio moral
Mesa de negociação da Comissão Bipartite de Acompanhamento da Cláusula de Prevenção de Conflitos no Ambiente de Trabalho, realizada nesta segunda-feira (27), na sede da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), terminou mais uma vez sem respostas positivas às reivindicações dos trabalhadores.
- continuar lendo.

25/10/2017
Bradesco é condenado por assédio moral por cobrança de metas

- continuar lendo.

08/08/2017
 Santander é condenado por assédio moral
O banco Santander foi condenado pela prática de assédio moral contra uma ex-funcionária que foi readmitida por força de decisão judicial. A decisão confirma os efeitos de liminar de antecipação da tutela de mérito concedida em fevereiro de 2014, que obriga o banco a tomar providências para cessar a prática ilícita. O banco tem que pagar ainda R$ 100 mil por danos morais coletivos.
- continuar lendo.

02/08/2017
Banco do Brasil é condenado a reintegrar bancário e pagar indenização por danos morais
O Banco do Brasil foi condenado, em ação julgada pela juíza do Trabalho Mônica Harumi Ueda, da Vara do Trabalho do município de Colorado do Oeste, a reintegrar, num prazo de oito dias após trânsito em julgado, um ex-funcionário demitido por justa causa em julho de 2015. A reintegração deve ser no mesmo cargo que ex-funcionário ocupava e com todas as vantagens que auferia (salários vincendos e vencidos) e consectários legais, tais como férias, 13º salário, FGTS, gratificações, PLR, auxílio alimentação, adicionais e demais verbas de natureza salarial que deveria receber de forma habitual, sob pena de multa diária no valor de R$ 3 mil, além do pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 50 mil.
- continuar lendo.

04/07/2017
 Avanço na luta contra a discriminação e o assédio na Caixa
Passa a valer a partir desta segunda-feira (3), outra nova versão do RH 184 da Caixa, que responde a um dos principais itens da pauta específica dos empregados da Caixa na Campanha Nacional 2016. A vitória foi após denúncia da CEE/Caixa o banco recuou de possibilitar o descomissionamento de mulheres na licença maternidade. Mas mantém arbitrária política de comissionamento da empresa.A principal crítica dos empregados é que o normativo que torna o descomissionamento prerrogativa exclusiva da chefia e altera os critérios em prejuízo dos empregados. No começo do ano conquistamos certa restrição a retirada de função pois determinou que manteria o exercício e pagamento da função por ao menos 60 dias e a eliminação da possibilidade de aplicar a dispensa na instauração da análise preliminar em processos disciplinares, mas permitia o descomissionamento de empregadas na licença maternidade.
- continuar lendo.



« anterior 1 | 2 | 3 próxima »