Sindicato dos Bancários de Bragança Paulista e Região    |    30 anos    |    1986 - 2021     |
                 

Notícias

COMPARTILHE:


Contraf-CUT debaterá igualdade de oportunidades com a Fenaban, nesta terça-feira (15)
Fonte: Contraf-CUT | Bragança Paulista - 14/12/2015



O tema igualdade de oportunidades será debatido nesta terça-feira (15), quando a Contraf-CUT se reúne com a Fenaban para avançar nas questões relativas ao assunto. Esta será a primeira reunião depois do fim da campanha, que ocorrerá a cada dois meses, conforme foi acordado no último encontro, durante a Campanha Nacional dos Bancários 2015. As questões que ficaram pendentes e serão retomadas nesta mesa temática foram: equiparação salarial entre homens e mulheres, além da ampliação da contratação de negros e pessoas com deficiências.

“A expectativa dos trabalhadores é a de que possamos tratar das questões pendentes que não avançaram de acordo com as análises feitas a partir do último Censo da Diversidade. É preciso corrigir com urgência várias distorções relacionadas a oportunidades e salários. Temos que nos aprofundar na questão sobre a ampliação da contratação dos negros e deficientes, e nas políticas de combate ao assédio sexual”, apontou Fabiano Paulo da Silva Junior, Secretário de Políticas Sociais.

Um dia antes da reunião da mesa temática, na segunda-feira (14), a Comissão de Gênero, Raça e Orientação Sexual (CGROS) da Contraf-CUT se reunirá para construir a pauta preparatória e o calendário de discussões com a Fenaban.

Dados preocupam categoria

Os dados do II Censo da Diversidade, conquistado pela categoria e divulgado em 2014 pela própria Fenaban, preocupam os trabalhadores do sistema financeiro. Na ocasião foi revelado que as mulheres ganham 22,1% a menos que os homens. A remuneração dos trabalhadores negros também permanece desigual, 12,7% mais baixa na comparação com brancos, apesar de 74,5% terem curso superior.

“Precisamos acabar com as desigualdades no local de trabalho do sistema financeiro. Por isso, seguiremos ampliando os nossos debates para combater discriminações e todo tipo de preconceito no setor”, conclui Fabiano.