Sindicato dos Bancários de Bragança Paulista e Região    |    30 anos    |    1986 - 2021     |
                 

Notícias

COMPARTILHE:


 Regulamento do teto de benefícios da Previ aprovado pelo Conselho Deliberativo
| Bragança Paulista - 19/12/2016


Conselheiro Carvalho ajuda o banco


O Conselho Deliberativo da Previ aprovou, em sua reunião de 16 de dezembro, o teto de benefícios para o complemento de aposentadoria do Plano 1 da Previ. A proposta foi aprovada com os três votos dos conselheiros indicados pelo Banco do Brasil. Foi estabelecido como teto o salário do diretor do Banco do Brasil (R$ 52.177,45). O valor será corrigido anualmente pelo INPC, índice que reajusta os benefícios do plano. Os benefícios do Plano 1 são calculados pela média dos últimos 36 salários da ativa. Deste valor é subtraída a média das 36 últimas Parcelas Previ e o valor resultante não poderá ser maior que o teto estabelecido.
    Finalmente foi resolvida uma questão pendente há oito anos e causava profunda irritação nos associados. Antes não havia teto, mas os abusos do banco aumentando de forma descomunal os salários de seus executivos, tornou o teto necessário. A regra criada impede abusos maiores do banco, que poderia aumentar os salários dos executivos para que eles levassem este valor para a aposentadoria. Para ser implantado, o novo teto terá de ser aprovado pela direção do BB e pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC). Valerá para os futuros aposentados.
 
 
Conselheiro Carvalho ajudou banco a criar teto maior –
A proposta apresentada pelo diretor eleito Marcel Barros era estabelecer como teto o salário do NRF Especial, último degrau do quadro de carreira do banco (R$44.271,45), que é reajustado pelo mesmo índice dos demais funcionários. Os conselheiros e diretores indicados pelo BB queriam como teto o salário de diretor. Dois conselheiros eleitos (Wagner Nascimento e Carlinhos Guimarães) defenderam a proposta de Marcel, mas o conselheiro Antônio José de Carvalho insistiu em um valor diferente. 
    Ao decidir, os 3 indicados pelo banco votaram para adotar como teto o salário de diretor do BB. Wagner e Carlinhos votaram no NRF Especial e Carvalho em outro valor criado por ele. A votação terminou em 3 a 2 a 1 e o banco nem precisou usar o voto de minerva. Se desse empate, haveria negociação entre as partes e os conselheiros eleitos poderiam conseguir valor menor que o pretendido pelo banco.
    Hoje existem 09 aposentados recebendo complemento de aposentadoria acima do teto aprovado pelo Conselho e 25 recebendo acima do teto proposto por Marcel Barros.