Sindicato dos Bancários de Bragança Paulista e Região    |    30 anos    |    1986 - 2021     |
                 

Notícias

COMPARTILHE:


Movimento sindical bancário promove oficinas no Fórum Social Mundial
Contraf CUT | Bragança Paulista - 28/01/2021

As quatro atividades acontecem nesta quinta e sexta-feira (28 e 29)



As quatro oficinas promovidas em conjunto pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), pelo Sindicato de Bancários de São Paulo, pela Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae) e pela UNI Américas Finanças serão realizadas nesta quinta e sexta-feira (28 e 29), no Fórum Social Mundial Virtual, que acontece até o 31 de janeiro de 2021.

O Fórum Social Mundial é um contraponto ao Fórum Econômico Mundial, que reúne os grandes capitalistas do mundo e que será realizado no mesmo período em Davos, na Suíça. As inscrições podem ser feitas individualmente ou coletivamente pela página do evento. É possível inscrever uma organização, movimento social ou coletivo, uma atividade ou ainda uma iniciativa mais duradoura. No site também é possível acompanhar a programação completa e conferir a relação completa de palestrantes, além de cadastrar propostas e iniciativas para serem discutidas.

Roberto von der Osten, secretário de Relações Internacional da Contraf-CUT, lembra que a Confederação tem uma tradição em participar de maneira destacada no Fórum Social Mundial. “Já fizemos oficinas e debates sobre o papel social dos bancos, sobre a regulamentação do sistema financeiro e vários outros debates que foram importantes na conjuntura de cada ano em que participamos. Este ano a nossa participação conta com as inestimáveis parcerias do Sindicato de Bancários de São Paulo, com a Fenae e com a UNI Américas Finanças. Nossa Confederação é uma estrutura sindical cidadã que luta pelos direitos dos nossos representados, resistindo e buscando novas conquistas sempre, mas que nunca descuidou desta sensibilidade do olhar atento para o mundo onde os bancários e bancárias vivem”, afirma.

Oficinas
Dia 28 de janeiro – quinta-feira, às 15h
O teletrabalho e a aceleração das transformações tecnológicas nos bancos.


Apresentação da pesquisa nacional com 8.560 bancários e bancárias de todos os estados da Federação, que estão em home office e comparação com a aceleração das transformações tecnológicas nos bancos do Brasil.

Acesso para assistir e enviar perguntas e manifestações sobre o tema via chat, use:




Dia 28 de janeiro – quinta-feira, às 17h
A defesa da Caixa e do Banco do Brasil frente aos ataques neoliberais do governo Bolsonaro
.

Organizada pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, em parceria com a Contraf-CUT e Fenae, trará o debate sobre o papel dos bancos públicos e do papel frente ao desenvolvimento social e econômico do país.

Acesso para assistir e enviar perguntas e manifestações sobre o tema via chat, use:



Dia 29 de janeiro – sexta-feira, às 15h
Projeto Basta! Não irão nos calar.


Organizada pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, esta oficina abordará o atendimento e o acompanhamento dos casos de violência doméstica contra as bancárias que procuram a entidade e a vinculação destas demandas à Convenção Coletiva de Trabalho – CCT da categoria.

Acesso para assistir e enviar perguntas e manifestações sobre o tema via chat, use:




Dia 29 de janeiro – sexta-feira, às 17h
O papel dos bancos públicos na retomada econômica e social pós pandemia


A UNI Américas Fînanças, através da Alianza Latinoamericana en Defensa de las Bancas Publicas, defende que os bancos públicos desempenham um papel importante na região. A pandemia mostrou que o Estado deve estar presente com políticas reduza os impactos na qualidade de vida dos cidadãos. Não podemos ignorar o fato de que as crises podem provocar um mal-estar e desconfiança em relação à democracia e constituem um risco para a coesão social e o desenvolvimento sustentável. Para construir um novo modelo de desenvolvimento na região que contemple três dimensões; a social, ambiental e econômica os Estados necessitam de uma banca pública forte e atuante. A oficina terá participação de lideranças da Argentina, Uruguai, Peru, Chile, Colômbia e Costa Rica.

Acesso para assistir e enviar perguntas e manifestações sobre o tema via chat, use: